22 de junho de 2017

Fui a um concerto de "heavy metal" e sobrevivi

Uma pessoa é capaz de tudo por amor. Até ir a concertos de música pesada em que não entendes "porra" nenhuma do cantam.

Ontem fui ver os Mastodon na sala tejo do Meo Arena. E apesar de não ser apreciadora também não fiz nenhum frete.

Dei por mim a pensar, dias antes, em como sobreviver ao concerto sem sequer conhecer a banda. Afinal até foi fácil, bastou seguir alguns passos que vou enumerar de seguida:

1) Levar roupa e calçado confortável e de preferência uma t-shirt preta (falhei na cor);

2) Entrar na sincronização de abanar a cabeça para a frente e para trás ao som do ritmo. Na loucura  fazer o cabelo esvoaçar também;

3) Levantar o braço e fazer o sinal de "rock and roll" com os dedos da mão sempre que alguém levantava o braço;

4) Se vires alguém vibrar com uma música, vibra também (estava na fila do bar para comprar água e teve de ser porque começou toda a gente a vibrar e a estar triste por não estar na plateia a ouvir a música).

5) Se gostarem de cerveja, estejam sempre com um copo na mão (eu foi mesmo água)

6) Ficar no fundo da plateia para passar despercebida, assim se me quisesse sentar no chão, ninguém me via.

7) Entrar no espírito da coisa. Mesmo que fosse outro género de concerto, vais acabar sempre por sair meia surda e com zumbido nos ouvidos.

E depois olhas para o lado e vês uma mulher tatuada nos braços com idade para ser tua avó a curtir o som ao lado do neto, como se não houvesse amanhã, e pensas "fogo sinto-me um ET aqui, mas já ganhei o dia"



5 de junho de 2017

Palácio da Pena

Já posso tirar da minha lista "Museus e palácios a visitar", o palácio da Pena. Adoro visitar palácios mas tive azar de algumas alas estarem em obras e algumas salas terem sido desmontadas em consequência disso.
Amei a arquitectura do palácio, parece saída de um conto de fadas. A zona do parque da Pena é enorme e merece ser visitada outro dia, com mais calma e com mais tempo. Apenas vi parte enquanto me deslocava para o palácio.
Para quem não sabe, a reestruturação do palácio da Pena foi iniciada pela rainha D.Maria II e pelo rei D.Fernando II e mais tarde também pela condessa D'Edla. Contudo, apenas habitaram nele D.Fernando II e a segunda esposa, a condensa D'Edla e o rei D.Carlos e a rainha D. Amélia.

(fotos tiradas por Susana Cunha. Direitos reservados)















Ponto negativo: talvez por ter visitado no fim-de-semana, haviam muitos turistas e a visita foi feita quase em fila indiana.

28 de maio de 2017

Esta coisa de arrendar casas...

Esta coisa de arrendar casas tem muito que se lhe diga.
De repente vês o teu senhorio a exigir mais 50% de renda por um T2 de 34 m2 ,  caso queiras continuar na casa onde estás e renovar o contrato. "Estás numa zona turística."
De repente vês que não há casas com valores decentes e que possas pagar para arrendar, nem na zona onde estás nem nos arredores. Ponderas ir morar a 80 km do teu trabalho, saíres de casa às 7h e chegar às 22h porque tens de ir de transportes (no meu caso 25 km de carro e restante de comboio) só para teres um lugar decente para viver ao preço que podes pagar. É que nem a 25 km de Lisboa te safas.
Quando finalmente vês algo em conta, mais perto do trabalho, já está reservado. "Fogo, ainda não faz um dia em que viste a oferta e entraste em contacto..." e percebes que há muita gente a passar pelo mesmo que tu.

Mas o que raio se passa em Lisboa e nos arredores para que o preço das rendas aumenta-se exponencialmente?
Eu desconfio, turismo vs política, todos querem ganhar com o turismo. É raro encontrar mais de 2 portugueses por cada dez pessoas que vejo no metro. Já não se encontram lisboetas de gema nos bairros mais antigos. Os que ficam são os mais velhos, aqueles que os senhorios não podem despejar. A todos os outros, dão incentivos para que tu não queiras renovar o contrato. "Sei que quer algo melhor", "As contribuições e impostos aumentaram por isso tenho de aumentar", "fiz obras", entre outras desculpas.
Ainda agora comecei a procurar casa e já estou farta...

14 de maio de 2017

Festival da Canção vs Eurovisão

Sempre fui fã do festival da canção português. E ontem gostei muito que Portugal tivesse ganho por duas razões. Primeira, é dos poucos que canta desde sempre na língua materna (salvo raras excepções onde no  refrão existia oura língua). Segundo, não precisou de artifícios para ganhar. Ganhou por ser simples e ficou provado que não é preciso cantar em inglês para ganhar.
Sempre soube que um dia íamos conseguir. Esse dia chegou, agora é continuar a fazer boa música.


4 de maio de 2017

Fui a um concerto de "heavy metal" e sobrevivi

Uma pessoa é capaz de tudo por amor. Até ir a concertos de música pesada em que não entendes "porra" nenhuma do cantam. Ontem fu...